domingo, 10 de outubro de 2010

O PERIGO DA INVEJA


Através de uma história verídica, irei relatar o perigo de alimentar um sentimento tão ruim como a inveja, para as nossas vidas e a do próximo.
Existia uma família que morava na terra de Canaã. Sendo o pai chamado de Jacó, tendo alguns filhos, possuía um amor maior por José que tinha 17 anos e era filho da sua velhice.
O pai chegou a presenteá-lo com uma túnica de várias cores, o que gerou um certo aborrecimento entre os irmãos, por saberem que de fato José era o mais amado pelo pai.
Sabemos que os relacionamentos sejam eles familiares ou não, são bem complicados, no caminhar da vida encontramos pessoas onde nos identificamos mais, pessoas que chegam mais perto de nós, que gastam tempo para nos ajudar, etc.
Os irmãos de José em unanimidade tomou essas circunstâncias de maior ou menor afetividade do pai por eles, para um lado egoísta de enxergar as coisas, chegando a planejar um assassinato.
O pai de José não tinha esquecido dos seus outros filhos, o amor que Jacó tinha por José não era excessivo ao ponto de ignorar os demais. Podemos observar em Gênesis 37:13-14 que Israel chegou a José e o pediu que fosse atrás dos seus irmãos a fim de ter notícias deles, querendo saber se eles estavam bem, porque os mesmos tinham ido apascentar o rebanho.
José era um bom filho e bom irmão, prontamente se colocou a disposição, com interesse em ter conhecimento sobre os seus irmãos. E José foi se arriscando, sem saber onde seus irmãos estavam e sem saber muito bem por onde caminhava. (Gn 37:15)
O jovem de 17 anos para infelicidade dos irmãos, era um sonhador, acreditava nos planos de Deus, nas grandes bênçãos vindas do céu, e após contar o sonho que teve, o aborreceram ainda mais. Por isso que ao chegar em encontro aos seus irmãos no campo, eles conspiraram contra José, desejando o fim da vida dele. Tramaram a sua morte de forma fria, imagine olharmos o noticiário com a seguinte reportagem:
"Irmãos de um jovem de 17 anos o coloca em um poço, recolhe suas vestes, a mancha de sangue e insinuam que a sua morte foi causada por sequestradores que levaram seu corpo, sabe-se Deus pra onde."
Tudo bem, com José o poço era uma cova e o sequestrador seria um animal selvagem. Todos nós ficaríamos de boca aberta e o coração apertado por imaginar pessoas tão ruins. Questionaríamos que sentimentos levariam os próprios irmãos de um jovem a assassiná-lo? Quem desconfiaria do sentimento da inveja!? E entre os próprios irmãos!? Que cresceram juntos, passaram por diversos momentos de alegrias e tristezas quanto família!?
A inveja é muito perigosa! Nos cega ao ponto de pensarmos que a felicidade do próximo anulará nossas vidas, se o meu próximo ganhar eu terei que perder, quando na verdade todos temos o que é nosso. Não precisamos viver colocando nossas vidas em uma balança para avaliar quem tem mais ou menos! Se é justa ou injusta essas quantias!
Precisamos enxergar mais, o quanto somos abençoados de forma individual e muito mais quando enxergamos a bênção, riqueza do próximo, como uma conquista nossa também, ainda que muitas vezes não cheguemos a desfrutar dessas "aquisições".
A inveja em ação, só trás maldição para a nossa própria vida, porque com ela vem a mentira, o engano, o egoísmo, a calúnia, a insatisfação, ingratidão, que abala mais do que a ninguém, o nosso próprio coração.
Enquanto houver inveja em nossa mente, nossa alma não terá paz e seremos mais pobres do que acreditamos ser de fato.
Por isso, renda graças ao Senhor por tudo que você possui, saúde, vida, família, trabalho, estudo, enfim, pelo pouco ou muito que você tem, tendo a certeza que se fores grato, tudo o que tens multiplicarás, porque enxergarás sabendo que muitos não possuem o mesmo que você!


Rebeca Barros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário